domingo, 17 de maio de 2009

Bravo!!!!!!





"Folha - No fim de "Viver sem Tempos Mortos", a personagem de Simone de Beauvoir diz: "Meu passado é a referência que me projeta e que devo ultrapassar". Com que projetos a sra. pretende ultrapassar o que fez até aqui?

Fernanda - Olha, se disser a você que não tenho projeto nenhum... É que já vivi mais do que possa viver. Quando você tem muito a viver, naturalmente tem projetos. Mas chega uma hora em que o meu projeto primeiro é estar inteira. Para o futuro, tenho uma novela do Silvio de Abreu, um convite do Teatro do Porto (Portugal) para atuar em "A Amante Inglesa", de Marguerite Duras. E o sonho de 50 anos de fazer alguma coisa da Clarice Lispector. Mas sempre tem tantas Clarices sendo feitas que deixo para daqui a pouco. Mas não tenho mais tempo de experimentar o que experimentei, de passar por mais 50 personagens. Então não é uma visão festiva.

Folha - Isso lhe traz angústia?

Fernanda - Seria idiota se dissesse que não. Seria mentiroso dizer que me sinto melhor do que quando tinha 20 anos. Isso não existe. Os anos dão uma consciência que não tem preço, ou que tem o preço da sua juventude. Mas não sei se trocaria a minha vivência de 80 anos pelo tempo não vivido qu.ndo a gente tem 20. Nessa idade, a gente nem se vê vivendo. "

Especial, não ?

4 comentários:

Taís Vinha disse...

Sil, que achado! Me fez lembrar do Picasso. Quando tinha 80 anos e lhe perguntaram qual a melhor fase da vida, ele respondeu: "a próxima!". Tomara que a gente consiga chegar lá com esta lucidez. Bjs!

silkelita disse...

Com certeza, com tantos exemplos do bem pra seguir, nós não vamos nos perder, cumadi!!!
bjs tb

Taís Vinha disse...

Perdidas nós já estamos. Talvez com tantos exemplos a gente acabe se achado. Bjs!

silkelita disse...

É uma boa ótica esta. Pra garantir, vamos jogando os "farelinhos" pra marcar o caminho...